segunda-feira, 11 de outubro de 2010

DEZ COISAS INUSITADAS QUE EU GOSTARIA DE FAZER III

Publicado no jornal Letras Santiaguenses de set/out 2010

Na busca pelas dez coisas inusitadas que me agradariam fazer, procurei se havia alguma literatura sobre o assunto. Não encontrei e se encontrarem, peço compadecidamente, enviem-me a URL porque acharia interessante comparar os posicionamentos. Encontrei, sim, algumas breves reflexões no Yahoo! Respostas. Um rapaz lançava ao ar por que devemos fazer coisas inusitadas? Mas não penso como ele. Da maneira como falou o devemos parece que fazer algo inusitado é uma obrigação. Não me sinto obrigado a realizar o que imagino. Talvez ele propusesse que quebrássemos a rotina. E isso também não precisamos encarar como obrigação, mas como filosofia de vida. Porque o rotineiro deixa de enxergar as belezas que o cercam, faz as coisas sem tanta motivação quanto se novas fossem.
A melhor resposta escolhida pelo questionador foi para sacudir a poeira da rotina em nossas vidas. Que busquemos realizar essas dez coisas inusitadas ou simplesmente joguemos gotas de imaginação em nossas mentes e pensemos em coisas diferentes. Chega de pensar dentro da caixa, pensemos fora dela, tiremos os limites.
Essa busca pelo não-rotineiro deve ter inspirado o filme “Antes de partir”. Já diz o narrador em primeira pessoa no início do filme: “Edward Cole morreu em maio, numa tarde de domingo [...] ele aproveitou mais os seus últimos dias de vida que a maioria das pessoas consegue aproveitar numa vida inteira.” E o filme, por sua vez, deve ter inspirado a terceira geração a viajar cada vez mais. As agências perceberam um segmento em potencial e quando se avança no tempo, muitos valores são revistos e aumenta a necessidade de encontrar algo diferente do que foi feito até então. A vida torna-se mais mansa (quando problemas de doença e miserabilidade salarial não assolam os nossos velhinhos) e sobra mais tempo para fazer, finalmente!, tudo aquilo que quando mais jovem foi protelado.
Vemos mais senhores e senhoras aproveitando as economias do ano inteiro e investindo em cruzeiros marítimos, passeios e viagens. Ano passado encontrei um grupo da terceira idade na praia. Estavam hospedados no mesmo hotel que eu. Faziam, inclusive, mais alvoroço que eu na flor dos meus 23 anos. Acordavam cedo, saíam para o mar, chegavam ao meio dia, almoçavam e não dava bem 13h30min já estavam de volta à praia. À tardinha a história repetia-se e à noite saíam, mas o local não cheguei a descobrir. Nesses instantes que estavam no hotel, era um entra e sai nos quartos, uma conversação intermitente e risadas. Pareciam mais novos que muito adolescente. Isso me fez lembrar da minha avó materna. Todo final de ano viaja de excursão para alguma praia, algum parque temático. São duas semanas que ela some e aparece depois com muitas fotos e histórias na ponta da língua. A última foi um cruzeiro marítimo pela costa brasileira, parada no Rio de Janeiro com direito a foto no Pão de Açúcar e o retorno para casa de avião. Aventura que não deve ter imaginado quando mais nova. Ou talvez ela já tivesse feito muito antes uma relação das coisas inusitadas que gostaria de realizar.
Completando as minhas dez coisas inusitadas que gostaria de fazer, falo da penúltima. Andar na lua. Após Apollo 11 em 1969 e as inúmeras excursões à lua que vieram depois, poderia vir a minha excursão. Há quem planeje excursões pagas até o nosso satélite natural e quem desembolse os astronômicos -desculpe o trocadilho- valores exigidos. Se um dia os tiver, talvez pense em pagar. Mas vejo muito mais como forma de desperdício gastá-lo assim. Há muita gente precisando e eu desperdiçando. Talvez eu não me sinta bem com a situação.
E a última coisa inusitada seria ser invisível. Sê-lo para andar por aí sem preocupação de ser assaltado, poder ouvir conversas que só assim são possíveis, aprontar travessuras e deixar a vítima desconfiada e sem resposta. Mas que fosse algo passageiro. Ser assim definitivamente não me agradaria nem um pouco. Não é preciso usar muito a imaginação para ver as catastróficas consequências. O filme “O homem sem sombra” já fez toda a reflexão e ilustra quão terrificante seria se alguém atingisse a transparência total e eterna. Além do desespero de perder a sua identidade e rede social porque ninguém mais lhe vê, as possibilidades tornam-se inúmeras de fazer o mal sem ser flagrado. Prefiro que me vejam. Se for para ser invisível, que seja de hoje até amanhã pela manhã.
Ficaram de fora tantos outros desejos. Foi difícil selecionar apenas dez. Faltou dizer que eu gostaria de voar de balão, de parapente, atravessar paredes, ganhar na loteria, ser presidente do Brasil, ter a foto estampada na capa de uma revista de circulação nacional, conhecer as sete maravilhas do mundo. E se o tempo não fosse um senhor inflexível, conversar com Jesus, ter conhecido Hitler (não se trata de apologia ao nazismo, mas mesmo tendo sido um terrível ditador, seu valor como grande líder faz-lhe valer conhecer), cruzar a pé o Mar Vermelho e se minha voz permitisse, cantar uma música com o Raul Seixas.
Há quem tenha colocado objetivos mais modestos. Ou mais realistas. Conseguir quitar a casa própria pode tornar-se uma missão tão dramática e difícil quanto uma das dez coisas inusitadas citadas. Vale escolher os seus dez desejos, vale driblar a rotina, vale fazer algo inesperado, vale surpreender aos outros e a si mesmo. Vale buscar o melhor. Porque o mais importante é não se acomodar, é pensar fora da caixa e além dela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário