sábado, 12 de novembro de 2011

A SÍNDROME CHAPOLIN COLORADO

"A CRISE NA USP COMEÇOU EM 27 DE OUTUBRO, QUANDO TRÊS ALUNOS FORAM PEGOS COM MACONHA NO CAMPUS. Colegas tentaram impedir que eles fossem detidos e entraram em confronto com a PM. Na mesma noite, um prédio da FFLCH [Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas] foi invadido.

 Dias depois, uma assembleia decidiu pela desocupação por 559 votos a 458. Inconformada com a derrota, uma minoria deixou a FFLCH e invadiu a reitoria”.

 Lendo esse excerto do site da Folha Online de 09 de novembro, questiono-me onde está o dito respeito à democracia que os estudantes da USP tanto defendem. Se é premissa básica da democracia fazer valer a vontade da maioria, os poucos jovens que invadiram a reitoria ignoraram essa máxima. Se é ilegal fumar maconha na rua, em casa ou na universidade, aqueles três alunos estavam errados e ponto final. Alguma coisa parece confusa? É simples, preto no branco: um ato ilegal foi repreendido pela Polícia Militar; e umas poucas dúzias de inconformados não respeitou a vontade da maioria dos estudantes e invadiram a reitoria da universidade.

 Em maio um aluno havia sido assassinado no campus. Após isso a polícia reforçou o patrulhamento. E aquelas dúzias de baderneiros queriam exatamente o contrário: que a polícia não patrulhasse a área da universidade. Garanto-lhes que se após o assassinato os comandantes militares dissessem que não aumentariam o policiamento, os mesmos estudantes pressionariam por mais segurança. E com razão. Gostaria de saber se durante as invasões dos prédios os “revoltosos sem causa” preocuparam-se com a opinião da mãe do colega morto.
 É piada quererem a polícia fora da cidade universitária. Essa síndrome “Chapolin Colorado” assolou o imaginário dadaísta do grupinho lunático de universitários. Parece que se a polícia deixar de patrulhar a cidade universitária (que é pública!) e outra pessoa morrer, for assaltada, estuprada, basta implorar “quem poderá nos defender?”, um herói aparecerá e resolverá todos os problemas.

 Querendo que todos acreditem que voltamos às décadas de 60, 70 e 80, os jovens que ostentavam faixas com dizeres como “Não à repressão” mais se enganaram do que enganaram os outros. Não estamos em tempos de regimes totalitários - vivemos uma democracia consolidada, onde prevalece a vontade da maioria, o Estado divide-se em três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e as decisões judiciais devem ser cumpridas, porque é assim a regra do jogo.

  Não temos o Estado fardado batendo com cassetetes na população. Temos o Estado fardado cumprindo o seu papel legal -usar drogas ilícitas como a maconha é crime- e cumprindo uma decisão judicial: desocupação pela força, se necessário, de um órgão público. O diálogo é mais saudável e produtivo, mas não foi o caminho escolhido pelos “revoltosos sem causa”. É que quando faltam argumentos, tenta-se ganhar no grito.

  Foi muito oportuno o pensamento do colunista da revista Veja, Reinaldo Azevedo, em 12 de novembro: “Fico imaginando com que argumentos professores e estudantes de direito defenderiam que a Polícia Militar não pode pisar na USP ou que a Cidade Universitária, ao arrepio da lei, deva ser uma zona livre para o tráfico e consumo de drogas”.

  Acredito que muitos estudantes da USP que aderiram à invasão, lá estavam de gaiatos. Pouco sabiam o que estavam fazendo, mas como os amigos disseram que era uma luta pelos "direitos do povo" e mais uma dúzia de bê-á-bá inócuo, acabaram aderindo ao modismo. Os líderes do circo, esses sim sabia. Eram alunos baderneiros que queriam que a universidade permanecesse à margem da lei. E aí pergunto: quem chamarão quando um 38 estiver apontado para a cabeça? O Chapolin?

Os limites da bestialidade

Publicado no Jornal da Cidade Online, em 06 Nov 2011  O RAFINHA BASTOS FALOU DIAS ATRÁS QUE "COMERIA" A WANESSA CAMARGO E O BEBÊ QUE ELA ESPERA. Queria dizer que ela é tão gostosa que não haveria limites para traçá-la. É um linguajar pesado para sintetizar a história? Deveria ter colocado os *** no lugar das palavras de baixo calão? Ora, o apresentador falou isso em alto e bom tom na televisão, com repercussão muito maior que este texto e, nem por isso, a censura ou o bom senso tolheram seus verbos sujos. E aposto que o público infanto-juvenil que assistia ao programa era maior que este que lê.
Com a mesma demonstração de educação -o que é diferente de cultura, ele respondeu à Folha.com por e-mail ao ser questionado por suas piadas acerca de Fábio Assunção e da Nextel, “chupa o meu grosso e vascularizado cacete”.

Sabe o que isso parece? O dito aparício. Falem bem ou mal, mas falem de mim. Se Rafinha quer estar em todas as bocadas da mídia, está conseguindo, por um caminho torto e errante. E não é de hoje. Em outra ocasião, ele e o Marcelo Mansfield fizeram uma suposta “análise gramatical” de uma entrevista do “casal Nardoni”. Além de só dizerem asneiras, fizeram piada da morte da pequena Isabela. E daria para citar parágrafos e parágrafos de outros comentários indevidos.

Há quem diga que os políticos fazem a farra e ninguém dá bola, mas um humorista (humorista?) diz meia dúzia de bobagens e querem prendê-lo! Também temos os defensores da livre expressão. Da liberdade de imprensa. Do direito de dizer o que quiser sem censura. Afinal, estamos numa democracia, onde todos os cidadãos têm o direito de se expressarem. Fora ditadura! Fora DOPS! Fora DOI-CODI! Viva a imprensa livre...

Existe uma enorme diferença entre liberdade de expressão, censura e respeito. Assim como os desvios de verbas públicas que ocorrem em Brasília interferem no nosso quotidiano, um apresentador como o Rafinha exerce muita influência sobre seus telespectadores. E quem são os telespectadores? Eu, você, seu pai, seu tio, seu primo e seus filhos. E por que existe a apelação? O apelo -geralmente sexual- surge quando acaba o conteúdo.

Se ainda há alguém que não vê maldade nas palavras do pseudo-humorista, responda à seguinte pergunta: se ele falasse para você que comeria a sua esposa grávida, você deitaria e rolaria no chão de tanto rir?

Receba as atualizações do blog!