segunda-feira, 11 de outubro de 2010

DEZ COISAS INUSITADAS QUE EU GOSTARIA DE FAZER II

 Publicado no jornal Letras Santiaguenses de mai/jun 2010

Na outra crônica relatei quatro das dez coisas inusitadas que gostaria de fazer. Surgiu-me a ideia, como havia dito anteriormente, após ver o lançamento de um foguete no filme “O estranho caso de Benjamin Button”. Relacionei as quatro primeiras. Ver o lançamento de um foguete, dirigir um carro de Fórmula 1, rir até perder as forças e saltar de paraquedas e bungee jump.
Perguntei-me, por que coisas inusitadas e não coisas comuns? Ora, se eu pedisse coisas comuns que gostaria de fazer, a relação seria interminável. Teríamos assinalados passar de ano, ganhar uma camiseta cara que vi na loja, emagrecer cinco quilos, ter um emprego melhor, e quem não quer um emprego melhor?, um salário mais gordo, maior reconhecimento pelo nosso trabalho. Esqueça os desejos comuns, pense em realizações astronômicas, em coisas que provavelmente não possam acontecer, liberte a sua imaginação.
Valendo-me dessa imaginação sobre coisas surreais, nomeei como quinto desejo correr quase tanto quanto o Forrest Gump. Tanto quanto ele é modo de dizer. Inclusive, não tenho a pretensão de um dia correr dezenas de quilômetros, vencer maratonas, quebrar recordes, virar dias correndo. Não que não ache possível. Sim, é. Mas não gosto tanto assim de correr pra tentar algo parecido. O que a corrida do Forrest me transmite é uma total liberdade, total despreocupação se já está na hora de ir trabalhar. Passa-me na cabeça vê-lo correr com despretensão em atingir um objetivo, a ação de fazer simplesmente o que gosta, ignorando opiniões externas.
A sexta coisa inusitada é competir em uma Olimpíada. Quem não gostaria de competir no Olimpo? perguntei-me ao relacioná-la. Já achei opinião contrária quando uma amiga respondeu-me as dez coisas inusitadas que ela gostaria de fazer. Seu medo era não obter a medalha de ouro e ser duramente criticada depois do insucesso. E também não desejava isso porque acreditava que teria vergonha de ser vista por todo o mundo. Ora, provavelmente essa seria a razão de eu querer competir numa Olimpíada. Lógico que vale acrescentar o valor de representar um país numa competição internacional. Também não é meu sonho de consumo estar entre os atletas de ponta do mundo inteiro. Meu basquete e vôlei são modestos, o futebol é ruinzinho e não há mais nenhuma outra modalidade em que eu possa enquadrar-me. Mesmo não sendo um projeto de vida, seria ótimo competir.
Também acharia muito interessante percorrer o Brasil e, por que não, a América Latina de moto. Esse veículo, por si só, já carrega consigo uma aura de liberdade. E perigo também. Você não tem ferramentas em volta do seu corpo protegendo, pega o vento na cara, pode esticar as pernas para a frente, para o lado. Impossível não se sentir mais livre, mais solto. Mas é perigosa pelos mesmos motivos que dão a sensação de liberdade. Quase sem carenagem em torno do veículo, qualquer colisão pode tornar-se num acidente sério, o motorista é praticamente o parachoque do veículo. E essa mania de esticar as pernas enquanto dirige a moto para algumas pessoas evoluiu em acrobacias de alto grau de periculosidade. Não é raro ver um motoqueiro segurando a moto pelo guidão, com o tronco deitado sobre a moto e as pernas esticadas para além da traseira do veículo. Um simples gatinho cruzando no meio da estrada pode desestabilizar o motoqueiro nessa situação e creio que dele não sobre nem a arcada.
Independente dos prós e contras, percorrer esse Brasil infinito ou mesmo a nossa América seria uma aventura sem precedentes. No filme Diários de motocicleta aparece o revolucionário Che Guevara, ainda um desconhecido, realizando essa aventura. Ele possuía ideais e carregava consigo desde já um cunho sócio-político muito intenso. A minha ideia é bem mais modesta. Conhecer as terras que só sabemos existentes devido aos mapas e à internet . Muito mais uma aventura do que a viagem política de Che.
O oitavo desejo inusitado é o mesmo de muitas crianças: voar. Crescemos e vamos perdendo essa vontade. Seja porque percebemos ser impossível ou porque nossa imaginação reduz-se a zero, preocupamo-nos muito mais em coisas de adulto, ser alguém, ter alguma coisa; e nos esquecemos de ser criança de vez em quando, esquecemos que podemos voar. Se não for de corpo, que seja na mente. Gostaria de voar, tendo asas ou não. Mais que levitar, onde as pessoas perdem o contato do chão e ficam apenas a alguns centímetros dele. A minha ideia é poder levantar voo a qualquer hora, na altitude que desejar. Já se o dom atingisse a todos, causaria muitos transtornos. Teria o perigo de colisões de humanos-voadores com aviões; as empresas automobilísticas, petrolíferas e todas as áreas afins ficariam muito desgostosas e de alguma forma tentariam boicotar essa possibilidade de voos humanos, talvez delimitando horários restritos para voarmos, induzindo ao uso dos carros.
Essa relação de itens permanece em constante mudança. Pode ser que daqui a alguns meses as dez coisas inusitadas não sejam mais as mesmas. Ou nem sejam mais inusitadas. Apostaria minhas fichas que ao menos duas ou três trocariam. Porque estamos em permanente revisão dos nossos objetivos. O que é válido, sim, é libertar-se para o mundo da imaginação. É querer voar e saber-se limitado para isso. E ainda assim não se preocupar com esse detalhe. E ainda assim sonhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba as atualizações do blog!