segunda-feira, 24 de setembro de 2012

AO VENCEDOR, AS BATATAS



Quando lemos os números das Olimpíadas de Londres, eles deslumbram. Foram 34 modalidades, bilhões de telespectadores assistiram às competições, 4.700 medalhas brilharam no peito dos competidores, a delegação brasileira contou com 259 atletas e eram 10,5 mil atletas de 191 países. E mesmo ainda faltando alguns anos, os números das Olimpíadas e da Copa no Brasil já atingem os milhões de reais nas verbas destinadas aos estádios e ao parque olímpico. Infelizmente, a recente história indica que muitos desses milhões irão para contas paralelas.
De números que quase não conseguimos contar rumemos para alguns de uma ou duas casas decimais. A delegação brasileira deu-nos três medalhas de ouro e um total de 17 medalhas. A equipe de futebol masculino, a mais badalada e bem paga que foi a Londres, logrou uma prata mixuruca. Esportes bem menos incentivados tiveram mais sucesso que o futebol.
Já nas paralimpíadas, a história foi bem mais agradável. O Brasil obteve 21 ouros do total de 43 medalhas. Não há o glamour das Olimpíadas: as partidas não são transmitidas em tempo real em qualquer canal aberto e os jornais não comentam muito.
Ainda que esses números, sozinhos, sejam poucos para definir o patamar de investimentos do governo em atletas, fica a dúvida, saltitando atrás da orelha: onde está a lógica em despejar milhões na conta de poucos atletas e deixar à própria sorte todos os demais?
Talvez Machado de Assis possa ajudar. Em Quincas Borba ele elaborou uma teoria com a máxima “ao vencedor, as batatas”. Explicava que havendo dois povos e comida apenas para um deles, seria suicídio coletivo tentar racionar o alimento entre todos. Seria muito mais inteligente que as batatas ficassem com o povo mais forte. Aqui na vida real, o mesmo ocorre.
Compensa muito mais aplicar muito dinheiro no futebol, que rende fortunas em publicidade do que repartir as verbas com muitos atletas e muitas modalidades. Não é por acaso que o Brasil é o país do futebol. Atletismo, judô, boxe não são páreos aos dribles dos cartolas.
Assim como no esporte, em educação, as prioridades estão longe da necessidade. O esporte e a educação andam juntos nesse caminho lamurioso. Há professores sem receber o piso salarial, que por si só já é uma afronta: 1.400 reais. Assim, perdemos um número incomensurável de atletas porque eles não têm um salário digno que lhes tire do trabalho atual para se profissionalizarem. Por má gestão. E isso é intencional.
Perdemos profissionais incríveis no ensino porque dezenas de empregos de nível médio e técnico pagam mais que o salário de professor. Por pura falta de intenção, por falta de querência. Não se quer. Não, mesmo.
Enquanto as batatas continuarem a ser entregues a poucos grupos, pouca coisa melhorará. Quando a fatia do bolo se aproximar um pouco da justa divisão, aí poderemos pensar em igualdade de oportunidades, em melhores resultados no esporte, em melhores índices educacionais.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A REUNIÃO DO CAPITÃO



_Bom dia, capitão!
_Bom dia, sargento. Bom dia, tenente.
O capitão recém chegava a sua sala, ao seu Posto de Comando.
_O Sr. vai na formatura da Bateria?
_Sim, cabo. Avisa o tenente que já estou indo. Só vou largar as minhas coisas no armário e já vou.
_Mas já são 13h30min. O expediente já começou, capitão.
_Cabo, avisa lá o tenente! Eu sei olhar as horas! Alguma dúvida?
_Mas, e cadê o pessoal, tenente?
_Capitão, o Sr. demorou e liberei todos.
_Tenente, eu não havia dito que era pra aguardar com o pessoal até eu chegar?
_O senhor falou, capitão, mas já são 14 horas!
_E daí? Reúna o pessoal agora. Tenho que falar com todos!
Tropa em forma: o tenente, os sargentos, cabos e soldados.
_Tenente, o capitão vai demorar? Já são 15 horas e preciso sair à rua pra comprar tinta pras paredes da sala do Coronel.
_Ouve só... Toque de reunião de Oficiais.
_Sargento, aguarda com o pessoal aqui. Vou lá pra reunião.
_Mas e o capitão, tenente?
_Vai pra reunião também, né!
_Ahhh... - coletivo.
_Opa, silêncio! Que baixaria é essa? Todo mundo quieto aí.
Fim da reunião de oficiais.
_Tenente, o pessoal está lá na Bateria pra reunião?
_Sim, capitão, desde às 15h.
_Capitão, preciso falar contigo. Aguarda aí um pouco.
_Sim, senhor, coronel. Tenente, não libera ninguém, certo?
...
_Tenente, e o capitão? Tenho muita missão pra hoje e já são 16:30h...
_O coronel chamou o capitão. Mas ele não demora.
_Capitão, estão todos aqui. Só não está o pessoal de serviço.
_Ótimo. Senhores, reuni vocês porque tenho alguns recados importantes. Era pra falar às 13:30h, mas não deu. Vamos aos recados...
Ouve-se mais um toque de corneta lá fora. São 17h, é o fim do expediente.
_Mas... e essa agora... Senhores, não quero segurar ninguém aqui no quartel após o expediente. Sei que todos têm suas missões dentro e fora do quartel e não quero atrapalhar. Vamos deixar os recados pra amanhã. Tenente, libera o pessoal.
_Sim, senhor, capitão.
_Amanhã, sem falta, tenente. 13:30h, todos prontos.
_Positivo, capitão. Atenção à Bateria, estão liberados. Até amanhã.

Um planeta chamado Biblioteca



Há um planeta muito lindo, com pessoas como nós, animais e plantas que falam, fantasmas, dinossauros e muitos outros seres da nossa imaginação. Um mundo que pode ser tanto belo quanto horroroso, nos encantar ou decepcionar, causar calafrios ou despertar paixões. Ou então, tudo isso junto. Creio que você já tenha visitado pelo menos uma vez na vida esse planeta, mesmo que nem lembre quando. Mas, de acordo com a pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, divulgada em 28 de março, para 75% da população, esse planeta chamado Biblioteca ainda é novidade.
A mesma pesquisa ainda relatou que a média de leitura do brasileiro é de 2,1 livros por ano. Isso que foram contados os lidos pela metade! Em 2007, a mesma pesquisa havia sido realizada e a média fora de 4,7. Números baixinhos, principalmente porque validaram livros didáticos, que encorpam significativamente essas estatísticas.
Além de a nossa cultura ser mais propensa à televisão que ao livro, à novela que ao romance, a miserabilidade enterra as esperanças de desenvolver o gosto pela leitura. Quem luta diariamente para conseguir uma refeição diária, uma roupa que proteja do frio, uma tábua que cubra o telhado da chuva, que perspectiva terá em investir dois reais num periódico? Quem será negligente com a família ao investir dez reais numa revista, se isso pode ser convertido no seu almoço?
Resta à escola, primordialmente nas áreas mais carentes - mas não unicamente nelas - o papel de apresentar o Planeta Biblioteca a seus discentes. Resta fazer despertar o gosto pela leitura e procurar criar ferramentas que envolvam os pais a participarem dessa construção do conhecimento com seus filhos, a mostrar aos progenitores ou responsáveis que novas perspectivas podem surgir através da leitura. Não é uma tarefa fácil acordar na criança o desejo pelas letras, a curiosidade por saber mais, a vontade de estar sempre em contato com o conhecimento. Mas é necessário.
Muita gente assistiu ou assiste à minissérie Gabriela. Mas, comparando, pouca gente leu Gabriela. Porque grande parte das pessoas gosta de novelas, filmes ou seriados, mas tem pavor de ler. Novela é uma comida mais pronta, já mastigada, não exercita muito a imaginação, mas também é história. Por vezes é a mesma história de livro homônimo. Arrisco a dizer que nunca é tão boa quanto a impressa. Então, onde parou ou por que não começou a vontade de ler?
O Ministério da Cultura, um mês após a divulgação daqueles números tristes do começo do texto, informou o investimento de 373 milhões no Plano Nacional do Livro e da Leitura. “Um brasileiro que lê cresce mais, e o Brasil cresce junto”, palavras da Ministra da cultura, Ana de Hollanda. Esse programa prevê a modernização e construção de bibliotecas.
Quem sabe se no futuro o índice de 75% que não conhecem biblioteca diminua. Quem sabe se a média de livros lidos ao ano volte aos 4,7, torne-se seis ou, algum dia, 10? Esses índices são possíveis, sim. E nem a tão longo prazo. Basta vontade de quem administra as cidades, estados e o país. Mas, principalmente, empenho dos pais e da escola para despertar o desejo pelas palavras.

Receba as atualizações do blog!