segunda-feira, 11 de outubro de 2010

PÃO, CIRCO E COPA DO MUNDO

Publicado no O Jornal de Uruguaiana, de 16 de junho de 2010

Inevitavelmente, nesses junho e julho gelados de 2010, um dos assuntos mais comentados será a Copa do Mundo. Entre os dias 10 de junho e 11 de julho a África do Sul será a “arena romana” da maior festa do futebol. Por mais que a pessoa não goste do esporte ou deteste a Copa do Mundo, estará envolta do campeonato. O que preocupa é que o encantamento que permeia a competição e a atenção que a mídia dá ao evento faz com que tudo o que ocorra concomitantemente à Copa, passe desapercebido. É impossível não relacionar a competição à política do Pão e Circo.
Na Roma antiga, os problemas sociais chegaram a um estado tão crítico que os imperadores, receosos que a população se revoltasse, promoveram a luta de gladiadores em estádios, dentre eles, o Coliseu. Lá, o povo recebia alimentos. O império fomentava festas para entregar comida no intuito de que todos esquecessem suas vidas miseráveis.
Muitos políticos acreditam que vivemos essa política do panis et circenses, a política do Pão e Circo, a cada quatro anos. Aprovam leis durante a Copa porque sabem que o circo africano faz o brasileiro esquecer de ler qualquer notícia que não tenha relação com o futebol. Porque sabem que o jornal vai escrever uma pequena nota relatando a votação da lei. E que a televisão não noticiará por mais de dois minutos. O tempo restante estará reservado ao futebol, à Copa do Mundo. E viva Robinho & Cia. E dane-se o povo.
Esquece-se o que ocorre fora dos gramados. Além disso, ocorre uma espécie de patriotismo relâmpago no país. Um pouco antes de começar a Copa, aumentam as vendas de camisetas e qualquer parafernália que sirva para torcer pelo Brasil e mostrar-se patriótico. Em pleno campeonato, o comércio verde-amarelo ferve. E surgem os discursos ufanistas de patriotismo. Salve o Brasil! Viva no nosso país! Como é bom ser brasileiro! Eu dou o sangue pela minha pátria! Um mês depois de todo esse alvoroço, ninguém mais ousa dizer algo parecido. Parece-me um patriotismo de fogo de palha vivido a cada quatro anos.
Ser patriota é muito mais que vestir a camiseta do país e dizer “eu amo o Brasil”. E, lógico, não é lutar pela nação a cada Copa, mas no dia-a-dia. Ser patriota é lutar por uma educação melhor no nosso país, é denunciar alguma irregularidade com dinheiro público que tenha presenciado. Ter patriotismo é ver a frente de uma escola cheia de alunos, as salas de aula quase vazias e denunciar o problema às autoridades competentes para que se resolva. Ora, é o dinheiro do contribuinte que está em jogo. Quem paga a escola pública? É a mesma população que veste a camiseta canarinho e vibra com o gol da seleção brasileira, mas que quando há protestos contra o governo ou uma empresa privada, tem preguiça de sair de casa e ajudar na luta sindical. Não é fácil ser patriota, mas é muito mais que ser torcedor da seleção. Por mais fervoroso que seja.
Outro exemplo de pseudo-patriotismo é a batalha dos jogadores na Copa, os nossos “gladiadores”. Sim, o sangue esquenta durante o campeonato e a adrenalina fica a mil na hora do jogo. O jogador sabe que grande parcela da população do seu país estará acompanhando o seu desempenho dentro de campo através da televisão e do rádio e que, inclusive, muitos aficcionados torram suas economias para poder assistir aos jogos ao vivo. Mas as cifras generosíssimas que cada seleção irá receber também fazem com que a vontade de vencer cresça ainda mais. Em página especial da Copa, reportagem da Veja Online esclarece que quem for eliminado na primeira fase da competição, ganhará a merreca de 8 milhões de dólares, ou 14,5 milhões de reais. As seleções eliminadas nas oitavas e quartas de final ganharão 9 e 14 milhões de dólares, respectivamente. Para a vice-campeã, o prêmio de consolação bate na casa dos 24 milhões de dólares (44 milhões de reais). A seleção campeã da Copa do Mundo vai abocanhar 30 milhões de dólares. Tratando-se do Brasil, serão 55 milhões de reais. Tem “patriotismo” melhor?
Quem dera eu, se atingisse um objetivo proposto pelo meu chefe, ganhasse 10% disso. Quem dera que os brasileiros que trabalham de domingo a domingo, ganhassem 1% desse valor se trabalhassem bem, se fizessem o que já são pagos para fazer. Quem dera se todos recebessem um salário digno, isso sim. Ao menos não é a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) que vai pagar essa grana, e sim a FIFA (Federação Internacional das Associações de Futebol). Menos mal! Pudera, seria o cúmulo a população pagar aos jogadores e comissão técnica uma fortuna para o que já são pagos (e muito bem remunerados) para realizar.
Mesmo parecendo Pão e Circo em alguns aspectos, a Copa do Mundo tem o seu valor. Alegra as pessoas, promove o encontro de amigos para assistir aos jogos. Todos voltados para uma festividade. Melhor que para uma guerra. Mas, também, é tentadora para a política. Porque o mundo (muito menos o Brasil), não para durante esse mês. E se ninguém prestar atenção ao que é votado lá em Brasília, em Porto Alegre e aqui mesmo em Uruguaiana, a Copa terá servido apenas como um bom entretenimento enquanto os políticos fazem a festa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba as atualizações do blog!