segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Um planeta chamado Biblioteca



Há um planeta muito lindo, com pessoas como nós, animais e plantas que falam, fantasmas, dinossauros e muitos outros seres da nossa imaginação. Um mundo que pode ser tanto belo quanto horroroso, nos encantar ou decepcionar, causar calafrios ou despertar paixões. Ou então, tudo isso junto. Creio que você já tenha visitado pelo menos uma vez na vida esse planeta, mesmo que nem lembre quando. Mas, de acordo com a pesquisa “Retratos da leitura no Brasil”, divulgada em 28 de março, para 75% da população, esse planeta chamado Biblioteca ainda é novidade.
A mesma pesquisa ainda relatou que a média de leitura do brasileiro é de 2,1 livros por ano. Isso que foram contados os lidos pela metade! Em 2007, a mesma pesquisa havia sido realizada e a média fora de 4,7. Números baixinhos, principalmente porque validaram livros didáticos, que encorpam significativamente essas estatísticas.
Além de a nossa cultura ser mais propensa à televisão que ao livro, à novela que ao romance, a miserabilidade enterra as esperanças de desenvolver o gosto pela leitura. Quem luta diariamente para conseguir uma refeição diária, uma roupa que proteja do frio, uma tábua que cubra o telhado da chuva, que perspectiva terá em investir dois reais num periódico? Quem será negligente com a família ao investir dez reais numa revista, se isso pode ser convertido no seu almoço?
Resta à escola, primordialmente nas áreas mais carentes - mas não unicamente nelas - o papel de apresentar o Planeta Biblioteca a seus discentes. Resta fazer despertar o gosto pela leitura e procurar criar ferramentas que envolvam os pais a participarem dessa construção do conhecimento com seus filhos, a mostrar aos progenitores ou responsáveis que novas perspectivas podem surgir através da leitura. Não é uma tarefa fácil acordar na criança o desejo pelas letras, a curiosidade por saber mais, a vontade de estar sempre em contato com o conhecimento. Mas é necessário.
Muita gente assistiu ou assiste à minissérie Gabriela. Mas, comparando, pouca gente leu Gabriela. Porque grande parte das pessoas gosta de novelas, filmes ou seriados, mas tem pavor de ler. Novela é uma comida mais pronta, já mastigada, não exercita muito a imaginação, mas também é história. Por vezes é a mesma história de livro homônimo. Arrisco a dizer que nunca é tão boa quanto a impressa. Então, onde parou ou por que não começou a vontade de ler?
O Ministério da Cultura, um mês após a divulgação daqueles números tristes do começo do texto, informou o investimento de 373 milhões no Plano Nacional do Livro e da Leitura. “Um brasileiro que lê cresce mais, e o Brasil cresce junto”, palavras da Ministra da cultura, Ana de Hollanda. Esse programa prevê a modernização e construção de bibliotecas.
Quem sabe se no futuro o índice de 75% que não conhecem biblioteca diminua. Quem sabe se a média de livros lidos ao ano volte aos 4,7, torne-se seis ou, algum dia, 10? Esses índices são possíveis, sim. E nem a tão longo prazo. Basta vontade de quem administra as cidades, estados e o país. Mas, principalmente, empenho dos pais e da escola para despertar o desejo pelas palavras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Receba as atualizações do blog!